segunda-feira, 14 de junho de 2010

E eu me pergunto o por que da hierarquia entre esse dia e os outros.

Antes de tudo: Não costumo comemorar aniversários

Não que não faça questão, mas prefiro não me frustrar, não potencializar ou engrandecer um dia que pode não ser assim tão legal.

Não que eu tenha tido algum aniversário durante esses anos que tenha me feito muito mal, não é isso, mas é que meus dias normais por si já são tão comemorativos que esperar mais do dia 14 de junho seria pressionar demais o coitado do dia pra que ele fosse algo sublime.

Virei a noite, por acaso, com 4 dos meus apóstolos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
mentira, não sou jesus, não quero seguidores(basta o twitter - @Juaoak - follow me), mas quis dizer que são 4 das pessoas que confio e quero junto. Foi um jeito sarcástico de analisar, oquei, eu tenho esse jeito meio anti-cristo, mas não é nada pessoal. Eu gosto de reforçar o amor que sinto por essas pessoas, eu quero elas perto, não são qualquer um, e tem mais gente nisso, mas cada um no seu tempo...Eu ganhei uma tequilinha *-* e penetrei o dia 14 bem feliz, após tocar algumas musiquinhas do andróide no casanova, após conversar com meus amigos num clima de friuzinho e chuva bem gostosa, pq quem me conhece sabe:

"amo o frio como amo a noite".

Ao meu estilo meu dia me presenteou com um apagão no condomínio - meia noite e pá! BLACKOUT - bem que a gente poderia viver na escuridão né?
Ficou tudo mais legal, sem luz, o som do silêncio, e foi um dos melhores inícios de aniversários ever(ton), e eu nem me esforcei.

Voltei pra casa ainda tudo apagado, vejo uma luzinha, minha irmã estava acordada, ela não consegue dormir assim ainda² tem medo do "inesperado da escuridão"....ainda to trabalhando isso com ela, já já ela supera. Conversamos durante um tempão...vejo que há esperança na minha família...amo muito minha irmã, talvez por ela ser muito parecida comigo, a gente deitado, a luz de vela, as sombras nas paredes, o intimismo instaurado.

Era linda a cena dela fazendo bolhas de sabão no escuro, e as sombras da menina e das bolhas. Essas coisas "pequenas" me fazem pensar, pensar, pensar...eu tava tentando pegar uma bolha e ai vinha a história do andróide sem par, mais uma vez dentro de mim.

As bolhas sempre estouravam ao me tocar...ai lembrei, pós tantas experiências e experimentos de quando jovem, se eu melar minha mão com o mesmo material que a bolha de sabão, eu consigo segura-la durante um bom tempo, mantenho ela junto de mim e ainda brinco.

Talvez se as pessoas quando quisessem ficar juntas elas tentassem se "melar", cobrir a superficie de contato, com coisas que façam parte uma da outra, as coisas durassem mais. NA VERDADE, ACHO QUE O PROBLEMA É ESSE, AS PESSOAS TEM MEDO DE SE MELAR - DESSA VEZ É SEM ASPAS. Me pergunto pra onde vai o homem contemporâneo e todos os seus sistemas temporais de baixa longividade. Por que esse homem flash? eu geminiano, paradoxalmente me questiono.

Não que eu não goste do prazer de sentir a bolha estourar no meu corpo, talvez o ápice, a água borrifada na minha pele, mas eu sinto que depois de ver tanta bolha estourar o novo prazer é manter.

Um comentário:

  1. é verdade. O novo prazer realmente é manter.
    Lindo post, Juão. *.*

    ResponderExcluir